Negros africanos fotos

As suas imagens de stock sobre Homens Africanos estão prontas. Faça o download de todas as fotos e vetores gratuittos ou royalty-free. Use-as em projetos comerciais com direitos vitalícios, perpétuos e mundiais. A Dreamstime é a maior comunidade de fotografia de stock do mundo. Homens Africanos Homens Negros Fotos Pessoas Pessoas Bonitas Rostos Interessantes Pessoas Negras Rostos Humanos Mulheres Africanas Belezas Exóticas Turbantes para homens Sem querer abolir o uso dos bonés, chapéus e bandanas , nada disso, o turbantes em homens, #Murban (man+turban) , surgem no meio urbano c... Encuentre la fotografía esclavos africanos perfecta. Una enorme colección, una variedad increíble, más de 100 millones de imágenes RF y RM de alta calidad y a un precio asequible. ¡Compre ahora sin necesidad de registrarse! Descarga fotos de Hombres negros desnudos. Busca millones de imágenes de Hombres negros desnudos de alta calidad a precios muy económicos en el banco de imágenes 123RF. Compra hoy. 12-jul-2020 - Explora el tablero de Patricio Hess 'Hombres africanos' en Pinterest. Ver más ideas sobre Hombres africanos, Africanas, Hombres. ⬇ Descargue Ninos negritos - fotos e imágenes fotos de stock en la mejor agencia de fotografía de stock precios razonables millones de fotos e imágenes de stock de alta calidad y sin royalties. 19-dic-2019 - Explora el tablero de Francisco Moreno 'Hombres africanos' en Pinterest. Ver más ideas sobre Hombres africanos, Hombres, Africanas. 30/mai/2020 - Explore a pasta 'Negros Lindos' de Cristina de Oliveira, seguida por 342 pessoas no Pinterest. Veja mais ideias sobre Homens negros, Homens, Homens bonitos. 19-ago-2020 - Explora el tablero 'hombres negros' de rodrigo Rios, que 158 personas siguen en Pinterest. Ver más ideas sobre Hombres negros, Hombres, Negros. ⬇ Descargue Maquillaje africano hombre - fotos e imágenes fotos de stock en la mejor agencia de fotografía de stock precios razonables millones de fotos e imágenes de stock de alta calidad y sin royalties.

No importa el color, importa el género: humano.

2020.06.09 21:38 kong-dao No importa el color, importa el género: humano.

Hace unas pocas semanas atrás los medios de comunicación, gobernantes del mundo y comunidades científicas de lo único que se hacían eco era de la pandemia llamada COVID-19, había invadido (casi) todos los países...hace unas semanas sobrevino el silencio, practicamente, absoluto para poner el foco de las cámaras en el asesinato de un joven llamado George Floyd...como si nunca antes hubieran pasado, los ciudadanos del mundo tras despertarse de un sueño profundo (o pesadilla) se encontraron con una revolución... una vez más, en el Norte de America.
Las naciones de América son jóvenes, por ejemplo, Estados Unidos se independizó en 1819 (hace 201 años a fecha de hoy, y, casi, 100 años antes de terminar la 1er Guerra Mundial en 1918) donde 42 años después, en 1861, uno de los mayores lideres políticos norteamericanos asumió la presidencia para abolir la esclavitud, su nombre era Abraham Lincoln. Fueron estas mismas intenciones la que lo llevarían a ser asesinado días después de pronunciado su discurso.
El 28 de Agosto de 1963 Martin Luther King Jr. pronunció:
Hace un siglo, un gran americano, bajo cuya simbólica sombra nos encontramos, firmó la Proclamación de Emancipación. Este trascendental decreto llegó como un gran faro de esperanza para millones de esclavos negros y esclavas negras, que habían sido quemados en las llamas de una injusticia aniquiladora. Llegó como un amanecer dichoso para acabar con la larga noche de su cautividad.Pero cien años después, las personas negras todavía no son libres. Cien años después, la vida de las personas negras sigue todavía tristemente amenazada por los grilletes de la segregación y por las cadenas de la discriminación. Cien años después, las personas negras viven en una isla solitaria de pobreza en medio de un vasto océano de prosperidad material. Cien años después, las personas negras siguen languideciendo en los rincones de la sociedad americana y se sienten como exiliados en su propia tierra. (...)
En 1968, 5 años más tarde, sería también asesinado por ir contra el status quo, pidiendo igualdad como Abraham Lincoln Cien años antes.
El 3 de Abril de 1964 otro exponente de los derechos humanos, Malcom X, alzó la voz abogando por los derechos de la comunidad afro-americana en Norte America:
(...) que hablemos así no quiere decir que estamos en contra del blanco, pero sí quiere decir que estamos en contra de la explotación, que estamos en contra de la degradación, que estamos en contra de la opresión. Y si el blanco no quiere que seamos antiblancos, que deje de oprimirnos y de explotarnos y degradarnos (...) No, yo no soy norteamericano, soy uno de los 22 millones de negros víctimas del norteamericanismo. Uno de los 22 millones de negros que son víctimas de la democracia, que no es más que hipocresía en mascarada... yo hablo como víctima de este sistema norteamericano y veo a Estados Unidos con los ojos de la víctima. No veo ningún sueño norteamericano; veo una pesadilla norteamericana.Fue el voto del negro el que instaló a la nueva administración en Washington. Tu voto necio, tu voto ignorante, tu voto malgastado fue el que instaló en Washington una administración que ha promulgado toda clase de leyes inimaginables, dejándote último, y que encima de todo obstruye (la aprobación de la ley de derechos civiles) Y tus líderes y los míos tienen la osadía de andar aplaudiendo por ahí y hablando de cuánto estamos progresando, y hablando de qué buen presidente tenemos...De manera que ya es hora de despertar en 1964. Y cuando los veas salir con esa clase de conspiraciones, hazles saber que tienes los ojos abiertos. Y hazles saber que hay otra cosa que también está abierta...Y si no... deberías regresar a la plantación algodonera, deberías volver a esconderte en el callejón. Ellos reciben todos los votos de los negros y, después de recibirlos, el negro no recibe nada a cambio. Lo único que hicieron al llegar a Washington fue darles buenos empleos a unos cuantos negros importantes. Esos negros importantes no necesitan buenos empleos, ya tenían trabajo. Eso es un camuflaje, es un truco, es una traición, un teatro.El Tío Sam tiene las manos empapadas en sangre, empapadas en la sangre de los negros de este país. Es el hipócrita número uno de este mundo...Entonces digo que al predicar el nacionalismo negro no nos proponemos hacer que el negro revalorice al blanco, sino que el negro se revalorice a sí mismo. No hagas cambiar de ideas al blanco; no es posible hacer que cambie de ideas, y todo ese asunto de apelar a la conciencia moral de Estados Unidos... La conciencia de Estados Unidos está en quiebra. Hace mucho, mucho tiempo que perdió toda conciencia. El tío Sam no tiene conciencia. Ellos no saben lo que es moral. No trataron de eliminar el mal porque sea un mal ni porque sea ilegal ni tampoco porque sea inmoral; lo eliminaron solamente cuando amenaza su existencia. De manera que estás perdiendo el tiempo si apelas a la conciencia de un hombre que está en bancarrota moral como el Tío Sam.
El-Hajj Malik El-Shabazz (Malcom X) también sería asesinado un año después del discurso...
En 1994, Nelson Mandela asumía como presidente de Sudafrica y dió un discruso donde también denunciaba la discriminación racial del pueblo africano, reclamando justicia, solidaridad, compasión, erradicasión del sexismo y muchas otras características que faltan en aquellos imperios colonialistas.Actualmente Africa es uno de los continentes donde las más grandes atrocidades humanas acontecen, una región donde el color de piel es más oscuro que el de sus colonos explotadores de mujeres y niños, donde la pobreza y el hambre se atrincheran en cada casa, donde las enfermedades como el HIV, malaria y tuberculosis cobra miles de vida cada mañana, dónde mujeres son violadas por soldados y esposos asesinados junto a sus hijos...esto pasa hoy, 2020 ¿y qué medio de comunicación se hace eco de eso?
Pero el color negro no es el único afectado, también está el "menos negro" y amarillos de Asia, donde millones de personas viven en condiciones insalubres, algunos durmiendo en pequeños cubos que llaman "ataudes", región donde activistas y periodistas son asesinados y la trata de personas son moneda corriente superando las 23.5 millones de victimas entre las que se incluyen menores de China, Pakistan, Bangladesh, Tailandia e Indonesia ¿y qué gobernante "twitea" sobre eso?
En America del Sur y Centro América, los blancos, negros y morenos, son víctimas de la violencia y el narcotráfico que existe entre fabelas, villas o barrios de clase extremadamente baja, las guerrillas o guerras entre pandillas de maras, la pobreza y el hambre (igual que en Africa y Asia) azota cada hogar mientras la corrupta clase alta sigue desgarrando la poca dignidad que le queda a aquella denigrada sociedad ¿y qué red social habla de eso?
No importa si la persona es negra, blanca, amarilla, verde, azul o violeta, alta, baja, gorda o flaca, lo que importa es el género: humano; uno que no tiene color ni nación y mientras siga siendo pisoteado por las leyes de burócratas, el analfabetismo, el hambre, la enfermedad, la discriminación y la barbarie, seguirá dando rienda suelda a los que lucran con ello.
He leído que el Co-fundador de Reddit decidió dejar su posición a un hombre de color negro, sin embargo eso no significa que él o el sucesor sean personas honestas.
He leído que el candidato a presidente Biden se reunión con la familia del joven asesinado, sin embargo eso no significa que el político sea solidario.
He leído la (poca creíble) noticia de que IBM quitará el reconocimiento facial por la discriminación a la gente de color, sin embargo eso no hace a la empresa más sincera.
He leído que Amazon apoya el "Black Lives Matters", sin embargo la empresa de Jeff Bezos sigue explotando a sus empleados en las fábricas.
He léido que Twitter censuró un twit de Trump por copyright, sin embargo no impide que sigan subiendo las acciones vendiendo los datos de usuarios.
He visto y leído bastante como para darme cuenta lo fácil que es entrtener a la gente con la televisión e internet mientras el mundo se sigue yendo a la mierda, mientras la clase media y baja se pelea entre ellos cuando en realidad debería estar luchando contra las clases (altas) dominantes, porque, de nuevo, no es una cuestión de color, es una cuestión de clases donde todas las vidas importan.
No se deje engañar por el marketing televisivo y web, estas noticias no son nuevas, son tan antiguas como la colonización y la esclavitud.

Edición: errata
submitted by kong-dao to DeepMinds [link] [comments]


2020.04.21 01:55 LiuLolo Não aguento mais a esquerda lacradora, pós moderna que sabe de tudo

Eu sempre fui uma pessoa de esquerda, mas nos últimos três anos tem sido impossível, muitos conseguem ser piores do que bolsominions e até os incels ancap, eu sei que isso vai soar bem egocêntrico e parecer com que eu quero me colocar como um fodão que sabe de tudo (mas mesmo assim vou postar).
MAS, puta que pariu essa esquerda brasileira é chata demais, a grande maioria só quer saber de lacrar com bordões batidos, usam fotos idênticas uns aos outros (vide a selfie com cara de retarda e/ou o simbolo de paz e amor), são racistas pra caralho, essa gente quer que o povo indígena SE FODA, só querem lacrar com "negros" e falam como se metade da população fosse preta, sendo que não, a maior parte da população brasileira nem tem sangue africano (próximo, afinal os seres humanos surgiram na África), e em qualquer situação tem que envolver a porra da cor da pele ou a orientação sexual (sim eu sei que representatividade é algo necessário, porém convenhamos eu sei que você já viu muita forçação de barra).
Essa esquerda é tão burra que ficam glorificando a porra de conglomerados que exploram os trabalhadores e não pagam imposto, pois colocaram 3 pessoas pretas pra caralho e 3 brancas pra porra (afinal no Brasil só tem gente branca ruiva e gente preta com black power) e uma pessoa gorda em alguma propaganda, isso é a mesma coisa de alguém do nada enfiar o dedo na sua goela te fazendo vomitar, mas te dar um pano pra se limpar e você agradecer por isso.
Querem que o pobre se FOOOOODAAAAAAA, só se importam em lacrar na internet (isso quando) com pessoas que vivem em favelas, como se o Brasil fosse só o Rio de Janeiro e São Paulo.
Sempre querem "cancelar" uma pessoa famosa que falou alguma merda no passado, como se a própria geração cirandeira fosse perfeita, como se tivessem nascidos com toda sabedoria mental, social ou não sei mais o que, e nunca erraram.
E ao mesmo tempo ficam endeusando personagens puramente artificiais que só seguem um roteiro de como ser padrão pra esquerdinha jovem (como por exemplo a Manu Gavassi no BBB) chamando de "fada sensata" ou "deuso" e quando essas tais pessoas falam uma merda fodida, passam pano (ai não pode cancelar minha rainhx).
Essa gente acha que vai mudar o mundo na desgraça do Twitter, se achando "militantes" sendo que só falam e fazem justamente o contrário, nunca colocaram um pé fora de casa pra realmente fazer parte de um movimento que pode ajudar o país (sim eu sei que a gente vive em um mundo moderno e a internet molda tudo).
E sim eu sei que fui um hipócrita cagando regra nesse texto e posso melhorar bem mais como ser humano só ignorando essas coisas e agindo melhor, eu tinha bem mais coisas pra falar mas tô puto demais pra fazer isso agora, desculpe pelos erros ortográficos.
submitted by LiuLolo to brasil [link] [comments]


2019.07.03 15:38 floripatv Juntos dubladores e personagens da nova versão de O Rei Leão!

Juntos dubladores e personagens da nova versão de O Rei Leão!

Nas fotos de Kwaku Alston, os atores que emprestam suas vozes aos personagens realistas encaram as criaturas que veremos nas telonas. Além de Beyoncé e Glover, o elenco de vozes do live-action de O Rei Leão inclui John Oliver (Zazu), Seth Rogen (Pumba), Billy Eichner (Timão), Chiwetel Ejiofor (Scar), Alfre Woodard (Sarabi), Shahadi Wright Joseph e JD McCrary (jovem Nala e jovem Simba). Todos os leões africanos são dublados por artistas negros.
Floripa TV em uma tela perto de você! 📺 📺


https://preview.redd.it/c24u5i5ed3831.jpg?width=1000&format=pjpg&auto=webp&s=901c5a4c80a26f2bf8f87210f611e006feba19ee
submitted by floripatv to u/floripatv [link] [comments]


2019.02.13 12:29 guerrilheiro_urbano Editores e racismos. Por Dodô Azevedo

Sou negro e cometo racismo contra negros. Sou como todos os brasileiros são. Fomos todos estruturados para sermos racistas com negros.
Como todos os brasileiros, tenho dificuldades para perceber o meu racismo contra negros.
Como todos os brasileiros, costumo rebater e argumentar quando alguém nota que tive alguma atitude racista contra negros. Digo que eu sou negro, que minha família é negra, como pode, então eu mesmo ser racista com negros?
Depois, como a minoria do brasileiros, penso melhor. Como a minoria dos brasileiros, faço autocrítica. Como a minoria dos brasileiros, detecto em mim o racista com negros que sou quando relaxo. Como a minoria dos brasileiros, me torno menos racista a cada dia.
Em 1993, participamos, eu e o editor do jornal onde escrevia, um sujeito culto, militante, negro como eu, mas como eu visto por todos como "moreno", de uma festa em homenagem ao grande filósofo francês Jean Baurdrillard, em São Cristóvão, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. O tema da festa era "religiões afro-brasileiras".
Todos de branco. Comidas típicas. Mas escolhidos a dedo, negros e negras vestidos em trajes típicos para nos servir. Fazíamos fotos com os negros que objetificados, decoravam o lugar em trajes típicos. Ninguém, nem meu editor, nem mesmo Baudrillard, percebeu que ali estávamos todos praticando racismo recreativo. Um dos muitos tipos de racismos que perseveram no Brasil ainda hoje. Se alguém, em 1993, nos alertasse, ficaríamos chocados e refutaríamos. Diríamos que nós mesmos somos negros, estudados, anti-racismo, temos pais e filhos negros, maridos e esposas negras. Como poderíamos estar praticando alguma forma de racismo, e justamente contra negros?
Não percebemos, em 1993, como não percebia-se, no século 19, que a prática teatral chamada black face era evidentemente racista com negros. Que os programas humorísticos brasileiros de TV até a década passada eram racistas com negros. Tempo, tempo, tempo, tempo, escreveu uma vez Caetano Veloso. Alguns de nós desenvolvemos uma melhor sensibilidade para o racismo contra negros. Alguns de nós sabemos detectar melhor. Alguns conseguimos enxergar nossas próprias estruturas. Alguns de nós se tornaram melhores editores de si próprios.
Tempo, tempo, tempo, tempo: eu mesmo escrevi, anos atrás, aqui neste blog, estar preocupado com a geração de intelectuais brasileiros ativos daqui há 50 anos. Quem substituiria, por exemplo, a atenta e ativa geração de Caetano?
Uma geração ainda mais atenta e ativa. Hoje, Djamila Ribeiro, mulher e negra, tem o seu livro mais recente "Quem tem medo do feminismo negro?", na lista dos mais vendidos no país. Trata-se de uma obra ainda mais abrangente que o fundamental "Verdade Tropical", livro de Caetano que recentemente completou 20 anos de lançamento.
Mal sabia eu que tudo melhoraria. E que, por melhorar, a atenção com nosso próprio preconceito contra negros começaria a ser finalmente considerada um movimento fundamental. Djamila andou puxando a orelha de quem não percebeu o racismo recreativo praticado na festa de aniversário da diretora da revista Vogue. Onde estava Caetano. Onde estavam grandes editores cultos.
Também anos atrás o editor da publicação de cultura impressa mais lida e conceituada do país me pediu um texto sobre um determinado assunto. Quando entreguei, o editor leu tudo e entendeu quase tudo: das referências à filosofia eslava à pintura japonesa do século V passando por citações dos princípios de causalidade e acaso na física moderna.
Mas, quando se deparou com referências que fiz à cosmogonia africana, o editor culto me escreveu explicando que não conhecia os termos e conceitos africanos. Mas, como um grande editor, resolveu ouvir: pediu referências de livros sobre o assunto e depois que eu pudesse conversar com ele ao vivo. Mesmo culto, queria aprender. Queria escutar. Queria editar a si próprio. E assim, tornar-se um melhor editor.
O mundo melhora, reedita-se. Mas, como consequência, torna-se mais exigente. Precisamos, todos nós, sermos a cada dia melhores editores.
Com humildade e coragem, reeditarmo-nos.

FONTE: https://g1.globo.com/pop-arte/blog/dodo-azevedo/post/2019/02/12/editores-e-racismos.ghtml
submitted by guerrilheiro_urbano to BrasildoB [link] [comments]


2017.11.29 12:53 rasaho LO QUE ESTÁ AVERGONZANDO AL MUNDO, YA NO SE QUIERE PAGAR SUELDOS DE HAMBRE, SE COMPRAN ESCLAVOS PARA TENER MÁS GANANCIAS. ¿DÓNDE ESTÁ LA "ONU"?

** El mundo está estremecido ante la barbaridad que está sucediendo en Libia, torturas, asesinatos y el comercio de seres humanos en pleno Siglo XXI.
*** Libia fué un País rico, con un estándar de vida altísimo, hasta la intervención militar de la EEUU y la OTAN, destruyendolo, depredando sus riquezas naturales (petróleo), convirtiéndolo en tierra quemada y pobre.
Impactantes imágenes de comercio de esclavos, tortura, asesinatos en la superficie de Libia está estremeciendo al mundo, produciendo vergüenza la codicia humana, ¿dónde están los organismos internacionales?, ¿dónde está las Naciones Unidas?, ¿La unión Africana?, ¿Dónde están las religiones?... todos callan.
Hacemos un llamado urgente a todos las conciencias humanas para parar tan vergonzante actuar, y liberar a estos jóvenes africanos que se encuentran en "Mercados de esclavos" en Libia.
Recientemente, las imágenes de la subasta en vivo en Libia, donde los jóvenes negros son presentados a compradores y vendidas por $ 400, $ 500, $ 600.
Las mujeres son vendidas para esclavitud sexual, donde muchas son infectadas por enfermedades venéreas y para evitar el dolor se suicidan.
No podemos seguir escribiendo, esto es muy doloroso.... Saludos.-
https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=NYwfnljRAOg
submitted by rasaho to podemos [link] [comments]


2017.08.15 23:53 feedreddit Longe de Charlottesville, São Paulo também celebra o “lado errado da história”

Longe de Charlottesville, São Paulo também celebra o “lado errado da história”
by Ana Maria Gonçalves via The Intercept
URL: http://ift.tt/2fIROpp
A manifestação neonazista e o atentado ocorridos na semana passada em Charlottesville giram em torno da disputa simbólica da herança representada pelos monumentos confederados. A cidade da Virgínia, seguindo o exemplo de algumas outras cidades do sul dos Estados Unidos, pretende remover a estátua do general Robert E. Lee, e os supremacistas brancos estavam por lá para defendê-la.
Lee foi o militar que comandou o exército da Virgínia contra a União, numa guerra separatista que queria manter a escravidão no Sul do país. A discussão tomou fôlego em 2015, depois que um supremacista branco matou nove pessoas negras em um atentado a uma igreja em Charleston, na Carolina do Sul. A cidade de New Orleans, por exemplo, comemorou, em maio passado, a remoção do último dos quatro monumentos confederados, exatamente uma estátua do general Lee.
O prefeito Mitch Landrieu, que é branco, reconheceu que tais monumentos celebram a supremacia branca, e disse que tal ato poderia fazer com que o estado da Louisiana finalmente começasse a se curar [dos males da escravidão], pois “não é bom continuar reverenciando uma falsa versão da história e colocar a Confederação em um pedestal”, completando que há que se reconhecer que os confederados estavam no lado errado da história.
“Não é bom continuar reverenciando uma falsa versão da história e colocar a Confederação em um pedestal”Por “lado errado da história”, por mais que se tente amenizar ou mesmo mascarar a intenção dos estados do sul durante a Guerra da Secessão, deve-se entender:o lado que defendia a manutenção de uma economia baseada na escravidão.
Não é apenas nos Estados Unidos que o “lado errado da história” é celebrado e mascarado. Aqui no Brasil, em Santa Bárbara D´Oeste (SP), há mais de 30 anos acontece a Festa Confederada. Com patrocínio estatal e incluída no calendário oficial do Estado de São Paulo, a festa, segundo os organizadores, foi organizada para “manter viva a memória dos nossos ancestrais” – ou seja, os confederados que, depois de derrotados nos sul dos Estados Unidos, vieram procurar abrigo no Brasil, onde ainda havia escravidão.
A história desses ancestrais e de como chegaram a esta região do estado de São Paulo pode ser lida no livro “Brazil: the Home for Southerners” (“Brasil, lar dos sulistas”, em tradução livre), do reverendo Ballard S. Dunn. Na festa dos descendentes dos confederados brasileiros, assim como nas casas e nas manifestações dos supremacistas estadunidenses, a bandeira confederada está em todos os lugares: nas roupas, na decoração, nos uniformes, pintada no palco onde acontecem shows e apresentações.

O contexto dessa imigração

Um dos grandes problemas deixados por séculos de escravidão foi o que fazer com o enorme contingente de negros libertos ou libertados, que nunca seriam totalmente integrados à sociedade. Aos olhos dos ex-senhores e das autoridades, representavam tanto uma ameaça à ordem pública, em locais onde eram muito numerosos, como uma ameaça à composição étnica, por serem considerados inferiores.
Os Estados Unidos fundaram uma colônia na África (Libéria), para onde enviaram todos os negros que se dispunham a deixar o país, com todas as despesas pagas. A ideia de uma colônia de negros norte-americanos no Brasil, mais especificamente na região amazônica, também era bastante atraente, por ser mais perto e por acreditarem que tínhamos aqui um modelo de sociedade menos racista.
O governo brasileiro chegou a ser consultado em algumas ocasiões, abortando a ideia porque, na época, mesmo antes da Abolição por aqui, já se pensava em um processo de branqueamento da população. Havia leis que proibiam a entrada de africanos livres no país e, ainda em 1945, imigrantes deveriam ser selecionados de acordo com a “necessidade de preservar e desenvolver, na composição étnica da população, as características mais convenientes de sua ascendência européia.” A política de incentivos para atrair imigrantes europeus brancos acabou atraindo também os brancos norte-americanos.
Descendentes de sulistas americanos na Festa Confederada de 2017
Reprodução: Festa Confederada / Facebook
Com o fim da Guerra Civil, alguns sulistas brancos escravocratas se sentiram humilhados com a derrota imposta pelo norte abolicionista, acreditando que não havia mais condições de permanecerem no país. Na década de 1860, o reverendo Ballard S. Dunn fez uma longa expedição pelo Brasil e acabou escolhendo, com o aval do Imperador, uma região no interior do estado de São Paulo. Mudando-se para lá junto com várias famílias, fundou os povoamentos que dariam origem às cidades de Americana e Santa Bárbara D´Oeste. A ligação com o passado é tão forte que até 1998, o brasão de Americana ainda fazia alusões à bandeira confederada.
Nenhum problema que os descendentes de confederados brasileiros queiram continuar reverenciando seus antepassados, mas que o façam com a verdade, em respeito à História e aos descendentes de escravizados.Os descendentes dos confederados de Santa Bárbara D´Oeste, representados por uma associação chamada Fraternidade Descendência Americana, soltaram uma nota condenando e lamentando o atentado em Charlottesville. A nota contém trechos de uma mesma nota emitida em 2015, quando do atentado na igreja de Charleston, como podemos ver reportagem, e pode ser lida na íntegra aqui , mas da qual destaco:
“A Fraternidade Descendência Americana representa milhares de descendentes de imigrantes Americanos que escolheram o Brasil como novo lar após sofrerem os horrores da guerra da secessão. Este conflito resolveu todas as divergências filosóficas, políticas, econômicas e sociais, onde o lado vencedor ditou as regras para todos daquele país, cujos efeitos refletem no atual sistema de vida dos Norte Americanos. Nossos ancestrais encontraram no Brasil o abraço acolhedor e a paz para recomeçarem suas vidas, sendo seus descendentes os maiores demonstradores da integração entre raças e povos frutos dos casamentos inter-raciais que ocorrem desde das primeiras gerações de descendentes.”
E:
“Aproveitamos para ressaltar que o General Robert E. Lee é considerado um dos melhores generais da história dos EUA e que ele não possuía escravos e entendia que a escravidão era um grande mal. Ele liderou as tropas confederadas na sua luta pela independência. Desta forma, o General Robert E. Lee não representa os grupos extremistas de direita estadunidense.”
Há tantos problemas nestes dois parágrafos acima que fica difícil começar, mas vou me ater ao que se refere ao general Lee. Nenhum problema que os descendentes de confederados brasileiros queiram continuar reverenciando seus antepassados, mas que o façam com a verdade, em respeito à História e aos descendentes de escravizados.
A bandeira dos Confederados é hasteada para a festa no interior de São Paulo.
Divulgação: Festa dos Confederados / Facebook
“Informações sobre a vida de Lee foram editadas para apresentá-lo sob uma luz favorável, começando imediatamente após sua morte – até mesmo no Norte”, diz este artigo, que ainda traz a seguinte declaração do ex-escravo, escritor e abolicionista Frederick Douglass: “Dificilmente podemos pegar um jornal que não esteja cheio de bajulações nauseantes” acerca de Lee, sobre quem “parece que o soldado que mais matou homens em batalhas, até mesmo por má causa, é o maior dos cristãos, qualificado por um lugar no paraíso.”
O artigo também dá conta de que Lee teve escravos sim, ao contrário do que muitos tentam negar: “Lee possuía escravos próprios antes da Guerra Civil, até 1852 [sua esposa continuou possuindo depois disto], e considerou comprar mais depois desta data, de acordo do a biografia escrita por Elizabeth Brown Pryor, que se baseia nas correspondências de Lee.” Em carta para a esposa, o general diz o que acha da escravidão: “A escravidão, como instituição, é um mal moral e político em qualquer país”.
A Guerra Civil foi, sim, uma luta pela manutenção da escravidãoDeve ser daqui que a Fraternidade Descendência Americana tirou a declaração sobre Lee, esquecendo-se, no entanto, do que complementa essa sua declaração. Lee afirma que a escravidão era pior para os brancos do que para os negros, e que era necessário que os negros a suportassem, para que fossem civilizados:
“A dolorosa disciplina pela qual estão passando é para a instrução de sua raça… Por quanto tempo esta instituição será necessária é sabido e ordenado por uma sábia Providência Misericordiosa.”
Ou seja: só Deus sabia, e não cabia aos homens libertá-los. Aqui se confirma o argumento de que a Guerra Civil foi, sim, uma luta pela manutenção da escravidão, na qual a religião foi forte componente. O que pode ser confirmado neste artigo, que a coloca no centro das declarações dos vários estados confederados.
Ou seja, naquele tempo e agora, os símbolos confederados, como a bandeira e as estátuas do general Lee, representam um ideal defendido tanto por Trump quanto pelos supremacistas brancos: a américa para os americanos – e apenas os brancos protestantes. Os mesmos que migraram para o Brasil e deram origem às cidades de Americana e Santa Bárbara D`Oeste. Que seus descendentes queiram honrar sua memória é completamente entendível, mas que também assumam a verdade histórica da herança que trouxeram com eles.
Foto em destaque: Polícia protege estátua em Charlottesville, no último sábado, dia 12. Michael Nigro/ AP
The post Longe de Charlottesville, São Paulo também celebra o “lado errado da história” appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


Top de hombres más dotados del Mundo - YouTube 7 Imágenes Desgarradoras De Africanos Siendo Vendidos En ... Tribu perdida de hombres con penes superdotados. - YouTube Hombres negros guapos!😍Ardientes - YouTube Acicalamiento Africano color y Belleza y tradición, tribus ... MODELOS 100%NEGROS,TOP!!!! - YouTube FOTOS REAIS DE ESCRAVOS DO SÉCULO XIX - YouTube Pene enorme tribu de Africa - YouTube Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No ...

ᐈ Indigenas africanos fotos de stock, imágenes tribu ...

  1. Top de hombres más dotados del Mundo - YouTube
  2. 7 Imágenes Desgarradoras De Africanos Siendo Vendidos En ...
  3. Tribu perdida de hombres con penes superdotados. - YouTube
  4. Hombres negros guapos!😍Ardientes - YouTube
  5. Acicalamiento Africano color y Belleza y tradición, tribus ...
  6. MODELOS 100%NEGROS,TOP!!!! - YouTube
  7. FOTOS REAIS DE ESCRAVOS DO SÉCULO XIX - YouTube
  8. Pene enorme tribu de Africa - YouTube
  9. Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No ...

¡No Te Pierdas Ningún Video! SUSCRÍBETE → http://www.youtube.com/user/historiaspositivas?sub_confirmation=1 Visita → https://historias.guru/ Hoy te traemos f... Mi pagina personals: https://www.facebook.com/La-Coloreteada-Videoblogs-978372245541293/ Acicalamiento Africano, hombres, Mursi, Belleza y tradición, tribus Mursi, Belleza y tradición Vida y costumbres de la Tribu Mursi Africanos gay gay African... Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No Flagra Supuestamente es de verdad y no de una película, eroticofestiba. www.sincobertura.net NEGROS TOP.... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Este fragmento es de un documental antiguo de los años 70s, al parecer los hombres de esta tribu practican un tipo de ejercicio de elongación en sus penes pa... ASSISTAM A PARTE 2 https://youtu.be/JC_Hbh0Nl_E